Após repercussão do ocorrido na última quinta-feira na Câmara de Vereadores o site foi em busca de maiores informações.

3 meses Anterior written by

Observamos ampla divulgação nas redes sociais de vídeos feitos por muitos dos cidadãos ali presentes, no entanto poucos sabiam os reais motivos de todo o tumulto. A sessão foi marcada por muitas discussões e grave denuncia de corrupção passiva feita pelo o vereador Diego Mercês (PSD) contra o vereador e vice-presidente reeleito da câmara de vereadores, Zé Vaz(DEM) .

Saímos em busca de informações com o propósito de sabermos o que de fato motivou todo o fatídico episódio. Ao ouvirmos o vereador Diego Mercês e o vice-prefeito Eliseu Mercês, os mesmos nos mostraram uma gravação, no qual, o então vereador e vice-presidente reeleito da Câmara de vereadores Zé Vaz, relata ter pedido dinheiro ao atual prefeito da cidade de Amargosa Júlio Pinheiro (PT) para votar a favor da aprovação de um projeto do executivo, no qual o prefeito pede autorização da Câmara de Vereadores para a contratação de empréstimos juntos à instituições financeiras, se somados podem chegar ao total de 10 milhões de reais para o município. O valor pedido por Zé Vaz, segundo ele mesmo afirma no áudio, seria para cobrir dividas pessoais com compra de combustível.

O vereador Diego Mercês falou rapidamente com a nossa equipe e nos disse:

“Antes de qualquer julgamento, peço que escute o áudio. Diante da gravidade do fato não posso ficar calado. Muitos abominam a CORRUPÇÃO pedindo um país limpo. É nesse momento que querem que eu me cale e aceite a corrupção em nosso município? Quer que eu fique calado para agradar algumas pessoas? Não é justo que eu seja considerado um monstro por denunciar a verdade.

Eu não sou um monstro nem o sujo da história. Há um áudio no qual o Vereador Zé Vaz pede propina para se favorecer e isso eu considero repugnante. O curioso é ver colegas que em razão do poder  preferi ficar ao lado de um negociante. 

Não é do meu perfil, abro minha conta e provo que não sou um político que se vende.

Já tomei as medidas legais, denunciando o mesmo ao Ministério Público e a agora é aguardar. Duvidar que houve cometimento de um crime é complicado. Falar que não é a voz de Zé Vaz é impossível, pois sua própria voz o condena. 

Quero minha cidade sem corrupção e espero que a sociedade também. Fui eleito para fiscalizar e legislar e não para ficar calado por capricho de alguns.

Irei fazer meu papel de fiscalizador neste momento. É  curioso e questionável a antecipação dessa eleição. Porque tanta pressa? Qual o interesse em se antecipar uma eleição  para presidência da Câmara?

Bem, digo e repito, não aceito e nem participei de negociação. Candidatar-se a presidente do legislativo é  legítimo  e qualquer um dos vereadores pode pleitear. Mas não posso me calar diante de um fato. Não posso aceitar que um vereador que será investigado por denúncia de corrupção passiva, possa compor a mesa diretora de uma instituição da qual faço parte.

Amigos desculpem pelo desabafo, mas não tinha como ser diferente. Cortaram o som do microfone, mas não a minha voz e por isso foi preciso falam num tom maia elevado, para que fosse escutado por todos. Serei sim um fiscalizador, honrando cada voto que obtive.

Fico honrado em ver o Vice- Prefeito um homem que ninguém pode denegrir sua imagem, apoiando a minha conduta. Desculpas, mas tenho que mostrar a verdade mesmo sabendo que não é absoluta.

Eu não posso me calar diante da gravidade dos fatos. Peço desculpa aos munícipes, mas não aceito corrupção e acredito que você também não, por isso tomei aquela atitude de gritar, mostrando a verdade no parlamento’’.

O artigo 317 do Código Penal é claro, “Solicitar ou receber, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, ainda que fora da função ou antes de assumi-la, mas em razão dela, vantagem indevida, ou aceitar promessa de tal vantagem”, é configura crime de corrupção passiva.

Portanto é importante que a sociedade se pergunte o que motivou o Vereador Zé Vaz votar a favor do projeto dos 10 milhões e o que motivou a mesa diretora eleita, a aceitar o vereador como vice-presidente, mesmo diante da denúncia de corrupção passiva. É bom lembrar que o Vereador Zé Vaz foi um apoiador do candidato opositor ao atual prefeito e mesmo assim teve o apoio do prefeito, para compor a mesa diretora.”

Como a nossa equipe sempre procura a verdades dos fatos, toda a movimentação, aos poucos começa a se esclarecer.

Comentários

Comentários

Artigos de Categorias:
Amargosa · Bahia · Política