Idosa aguarda atendimento no chão no Hospital de Pernambuco

2 anos Anterior written by

Uma idosa deitada no chão, ao lado de uma lixeira, com apenas uma toalha como proteção, e uma mãe em lágrimas com o filho doente no colo compõem o cenário na recepção do Hospital Rui de Barros Correia, em Arcoverde, no Sertão de Pernambuco. Com a unidade superlotada após um aumento de 175% na média diária de atendimentos, os pacientes reclamam da falta de médico. O conselho gestor do hospital atribui o aumento na demanda a uma epidemia de dengue na região. Conforme levantamento da direção, a média de atendimento de 200 usuários por dia subiu para 550. Em nota, a direção do hospital informou que “reconhece a grande demanda na emergência da unidade, provocada, sobretudo, pela epidemia de dengue que atinge a Região de Arcoverde, mas esclarece que mantém o atendimento a todos os pacientes, dando prioridade aos casos mais graves”. Ainda segundo a nota, “70% dos casos que chegam ao hospital poderiam ser atendidos em unidades e serviços de menor complexidade”. O filho da idosa que aguardou atendimento no chão disse que a situação é frequente na unidade. “Olha como a coitada está, não tem doutor. Olha como está a situação. É todo dia esse problema”, afirmou Antonio Carlos Nunes. Além dela, outras pessoas esperavam por atendimento de forma improvisada – alguns deitados em bancos. Com a demora no atendimento, uma mãe chora com o filho no colo. De acordo com o pai, Sebastião Ferreira, a criança está com sintomas da dengue. “A família inteira com esse problema e infelizmente a gente não tem a quem recorrer”, disse o aposentado. Um ofício foi enviado pelo conselho gestor do hospital à prefeitura, pedindo apoio nos atendimentos. “Solicitamos um apoio, para que aqui na frente do hospital, intalasse uma tenda e viesse dar um apoio com médico, técnico e enfermeiro”, afirmou Arnaldo Tenório, presidente do conselho.

Policlínica superlotada – Arcoverde registrou de janeiro a novembro, 1.789 casos de dengue e chikungunya; apenas em novembro foram mais de mil casos, segundo dados da prefeitura. Com o aumento na demanda de pacientes, a rede municipal também está superlotada. Em uma policlínica, o número de atendimento subiu de 80 para 300 por dia e salas foram improvisadas para acelerar as consultas. A secretária de Saúde de Arcoverde, Andreia Britto, disse que “como a gente está com uma quantidade grande de casos de dengue e chikungunya – e estamos com três casos de microcefalia notificados -, estamos precisando de suporte tanto de medicamentos, que a gente vai ter que comprar fora de licitação, insumos e também contratação de profissionais sem concurso público. Em estado de emergência, pode ser que a gente tenha uma resposta mais rápida”.(G1)

Comentários

Comentários

Artigos de Categorias:
Brasil · Crime