Senha para assistir júri de Kátia Vargas acaba 1h30 após início da distribuição

10 meses Anterior written by

As senhas para acompanhar o julgamento da médica Kátia Vargas acabou cerca de 1h30 após o início da distribuição nesta sexta-feira, 1º. A informação foi divulgada por policiais militares que organizam o movimento no Fórum Ruy Barbosa, em Nazaré. Contudo, funcionários do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) ainda não se pronunciaram oficialmente. Diversas pessoas continuam no local na expectativa de garantir um dos 432 lugares para acompanhar o júri popular, que acontece na próxima terça, 5. A fila sai do estacionamento do fórum e segue pelas ruas de Nazaré. Antônio Carlos, que chegou no fórum por volta de 6 horas, foi uma das pessoas a ficar sem senha. Ele reclama de desorganização. “Uma pessoa do fórum saiu passando de pessoa em pessoa, colocando o nome e numeração. Eu fiquei em 219 de 220 senhas, mas agora não tem senha. A matemática não é exata e a conta não está batendo. Tinha uma pessoa no controle e agora sumiu”. A previsão era que a distribuição começasse às 8 horas, mas foi antecipada para 7h30 por conta da procura. Algumas pessoas dormiram no local, como é o caso de Francisco da Paz, 24, que saiu de Cajazeiras com a mãe e chegou no fórum às 22h26 para conseguir as senhas. Após passar a noite no local, ele conseguiu o documento para assistir o júri. Do total de 432 lugares na plateia, 18 são destinados as famílias das vítimas e da médica. Outras 54 cadeiras estarão a disposição para convidados da defesa e da acusação. Os outros 360 lugares, ficarão a disposição do público.

Entenda o caso: Kátia Vargas é acusada de causar a morte dos irmãos Emanuel e Emanuelle Dias em um acidente de trânsito, em outubro de 2013, no bairro de Ondina. De acordo com a denúncia, ela teria perseguido os irmãos após uma discussão. Em seguida, a médica teria colidido o carro na moto pilotada com Emanuel, provocando a queda dos dois, que morreram após bater em um poste.

Comentários

Comentários

Artigos de Categorias:
Bahia · Justiça