“Acho que ele é um monstro”, desabafa mulher que teve unha arrancada e respirador desligado pelo marido

7 anos Anterior written by

Uma jovem de 24 anos viveu anos de muito medo e terror nas mãos do próprio marido na capital baiana. Anne Graziele resolveu dar um basta no relacionamento após passar dois meses no hospital, sendo mais de um mês em coma, por causa de Rodrigo Cordeiro Matos, 36. Ainda assustada com a violência, ela pretende sair da cidade para recomeçar a vida e desabafou: “Acho que ele é um monstro”. Anne contou que o problema de saúde começou quando foi ao hospital para ter o segundo filho do casal. Após o parto cesáreo, foi diagnosticada uma infecção urinária e os médicos disseram que ela não poderia sair da maternidade. Rodrigo convenceu a equipe a dar alta para a mulher contando uma mentira. O homem afirmou que tinha feito quatro anos de medicina e que se responsabilizaria por Anne. — Chegando a casa, ele não comprou os remédios e como não tinha ninguém para me ajudar a fazer as coisas em casa, eu mesmo fazia. Além de não dar os medicamentos, o marido preparava comidas para ela que uma pessoa recém-operada não podia comer. Após 15 dias, ele usou uma pinça para retirar os pontos da cirurgia e mandou ela voltar a trabalhar. Com fortes dores, a mulher pediu socorro para o marido, mas ele disse que “queria que ela morresse”. Ela foi ajudada por um tio que arrombou a porta da casa e a levou para o hospital.— Ele falou assim: Cadê seu marido? Porque tinha visto o carro, eu com vergonha de falar, peguei e falei para ele que meu marido tinha saído. Já na unidade hospitalar, Rodrigo continuou com as torturas. Anne relatou que o marido arrancou a unha do seu pé e ainda desligou o respirador. Com isso, ela teve infecção no sangue.  Ele foi proibido de entrar no hospital, pois a irmã da vítima solicitou uma medida protetiva para que ele se afastasse da mulher e dos filhos. Anne contou que conheceu Rodrigo aos 17 anos e, após dois anos de relacionamento, começaram as agressões.  Ela viveu muitos momentos de horror nas mãos do marido, mas uma cena que ela nunca vai esquecer foi quando apanhou de Rodrigo na frente da mãe, que estava com câncer. — Ela pedia cigarro e não podia fumar, aí eu fiquei com pena dela. Ele foi se meter (na conversa) e ela foi um pouco grossa. Ele foi e me agrediu na frente dela, me bateu na frente dela. Ela pedia pelo amor de Deus para parar. O homem foi preso em março, quando Anne ainda estava no hospital, após descumprir a medida protetiva. Na delegacia, ele negou todas as acusações e disse que a cunhada inventou a história, pois não gostava dele, já que tinham tido um caso. Anne negou a versão do marido. Após sair do hospital, ela foi ouvida pela juíza, que confessou que já estava até acreditando na versão de Rodrigo, tamanho era o poder de convencimento do homem. A juíza disse que esperou ela ter alta para ouvir a versão dela e se emocionou com sua história. — Eu não tenho coragem de ficar frente a frente com ele, tenho muito medo. (R7)

Comentários

Comentários

Artigos de Categorias:
Brasil · Crime

Deixe o seu Comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.