Em média brasileiro precisaria ganhar 768% mais para quitar dívida atrasada

6 anos Anterior written by

Em média, o consumidor brasileiro inadimplente está com o nome sujo há aproximadamente dois anos, deve para 3,7 diferentes empresas, adquiriu essas dívidas por meio do cartão de crédito e de lojas e tem um débito total de R$ 21.676 junto às empresas credoras – já embutidas as multas e as taxas cobradas pelo atraso. Esse valor corresponde a 768% da renda familiar mensal de um consumidor entrevistado na pesquisa, de R$ 2.822. Os dados são de uma pesquisa sobre A Recuperação de Crédito no Brasil, encomendada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pelo Portal de Educação Financeira Meu Bolso Feliz, realizada nas 27 capitais brasileiras entre os dias 1 e 8 de fevereiro. A pesquisa também detectou um aumento médio de 70% entre o valor inicial da dívida e o valor final dela – depois de dois anos, após a cobrança de multas e juros pelos credores. Os atuais inadimplentes declaram que, em média, a dívida inicialmente custava R$ 12.776 (comprometimento de 453% da renda média de R$ 2.822) e que depois das cobranças monetárias passou a custar R$ 21.676 (comprometimento de 768% da renda). “Por isso o consumidor inadimplente deve negociar e pagar o que deve o mais rápido possível para que a dívida não se transforme em uma bola de neve”, explica a economista do SPC Brasil, Marcela Kawauti. Cartões de crédito e de lojas lideram os atrasos – Deixar de pagar a fatura do cartão de crédito é a principal razão apontada por três em cada cinco entrevistados inadimplentes (61%) para ter ficado com o nome sujo, ao lado de atrasos nas parcelas de cartões de loja (51%), no pagamento de empréstimos (31%) e de boletos bancários (37%). Outras razões mencionadas foram os cheques sem fundo (20%), deixar de pagar o cheque especial (18%) e o atraso com parcelas de financiamentos (15%). A pesquisa indica que a quantidade de parcelas não pagas representam algo entre 53% e 72% do total de parcelas acordadas no momento da compra. No que diz respeito especificamente ao cartão de crédito, os atuais inadimplentes dividiram as compras numa média de 6,1 vezes e deixaram de pagar 3,6 prestações, o que representa um atraso de 59% das parcelas inicialmente acordadas. Motivo que originou a dívida – Quase a metade dos consumidores entre inadimplentes e ex-inadimplentes (48%) ouvidos na pesquisa afirmam que a falta de planejamento no orçamento pessoal é principal a razão apontada para não pagar as contas. Em seguida, entre as justificativas citadas, vem a perda do emprego (28%), a diminuição da renda (21%), o atraso de salário (17%) e as compras acima do que lhes permitia o orçamento (16%). “A tendência do consumidor, quando decide cortar gastos é diminuir as despesas com vestuário e calçados [39%], lazer [38%], alimentação fora de casa [34%], salão de beleza [21%] e telefonia celular [21%]”, enumera Kawauti. 62% estão desconfortáveis com o nome sujo – Seja pelo fato de não poderem consumir mais a prazo ou por conta de razões morais, a maioria dos consumidores inadimplentes afirmaram que pagaram ou pretendem pagar as dívidas (64%) por não se sentirem confortáveis tendo o nome sujo. Há outras razões também citadas pelos entrevistados para quitar ou para a intenção de quitar as dívidas: 14% se incomodam com as cobranças feitas pelos credores, 28% se incomodam pelo fato de não poderem mais fazer compras parceladas e 37% temem que o valor da dívida aumente.

Levando em conta as consequências de não pagar o que deve, a maior parte dos consumidores inadimplentes acredita que a principal consequência é ter de esperar cinco anos para a dívida sair do cadastro de inadimplentes (53%). 44% acreditam que o nome ficará para sempre sujo, porque podem ser cobrados pelo credor na justiça. Há ainda os que argumentam que seus bens podem ser penhorados (37%). O estudo mostra ainda que as operadoras de cartão de crédito foram as que mais recorreram à prática de entrar na justiça, registrar em cartório, penhorar bens ou protestar a dívida (citados por 35% dos entrevistados inadimplentes). Com igual frequência foram citadas as empresas de financiamento de carros e motos (35%) e os varejistas (33%).

Hora de pagar a dívida – Sete em cada dez entrevistados entre inadimplentes e ex-inadimplentes (71%) disseram que iriam pagar a dívida por acreditarem ser o correto a se fazer e, na hora de pagar, 41% dos entrevistados alegam que a maior dificuldade enfrentada é a proposta fora de suas possibilidades na negociação. 21% dizem que o custo está muito acima de seus ganhos, enquanto 19% reclamam dos prazos de pagamento. Há ainda os que desejam negociar, mas não sabem como (19%) e aqueles que afirmam sentir dificuldade em deixar de comprar as coisas que gostam para quitar o débito (17%). Operadoras de celular são as que mais procuram para negociar – O estudo do SPC Brasil e do Meu Bolso Feliz indica que 84% dos consumidores inadimplentes (e também ex-inadimplentes) procuraram ou foram procurados pelos credores para um acordo sobre as dívidas em atraso. No geral, 23% dos entrevistados foram procurados pelo credor, sendo que o percentual aumenta para 38% entre os inadimplentes mais jovens. As empresas de celular são as que mais procuram os devedores para uma possível negociação (46%), seguidas das companhias de outros financiamentos (45%), internet (44%) e de financiamento de carros e motos (43%). Por outro lado, quando a iniciativa parte do consumidor, os resultados indicam que as empresas de TV a cabo estão em primeiro lugar entre as mais procuradas (54%). O presidente do Serviço de Proteção (SPC Brasil), Roque Pellizaro, explica que o brasileiro inadimplente demora muito (dois anos, em média) para quitar uma dívida. “Negociar a dívida rapidamente é muito mais vantajoso do que deixar os juros rolarem. A taxa média de desconto para negociação é de 22% e chega a 69% para quem propõe o pagamento à vista”, explica Pellizzaro. (Tribuna da Bahia)

Comentários

Comentários

Artigos de Categorias:
Brasil · Economia

Deixe o seu Comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.