Impeachment não é palavra proibida, diz Aécio

6 anos Anterior written by

presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG), disse nesta quarta-feira que o partido dará “irrestrito apoio” aos protestos que serão realizados no próximo domingo em diversas cidades do País para pedir o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT). Questionado se a posição significava também apoio ao impeachment – já que a palavra não havia sido dito pelo tucano –, Aécio respondeu que o termo não é proibido, mas que isso não está em discussão no PSDB. “Nós não proibimos nem estamos proibidos de dizer a palavra impeachment, ela somente não está na agenda do PSDB. Mas desconhecer que setores da sociedade defendem essa tese é desconhecer a realidade. Mas essa não é a agenda neste momento do PSDB”, disse Aécio após reunião da executiva nacional do partido, em Brasília. “Não há palavra proibida em uma sociedade democrática como a nossa”, completou. O encontro dos tucanos foi marcado justamente para definir a posição do partido nas manifestações de domingo. De acordo com Aécio, o PSDB não participa da organização dos atos, mas os protestos podem contar com a presença da militância tucana. O senador disse ainda que ele não participará de nenhuma das manifestações para não dar força ao discurso de “terceiro turno” eleitoral. “Eu, pessoalmente, na avaliação que nós fizemos, optei por não ir, exatamente para não dar força a esse discurso de que estamos vivendo terceiro turno no Brasil. O fato de eu ter disputado a eleição com a presidente Dilma Rousseff pode fortalecer esse discurso, que não é verdadeiro”, disse Aécio. Para Aécio, essa movimentação expressa um sentimento de “indignação” da sociedade diante da “degradação moral e gravíssimos problemas econômicos criados pelo governo da presidente Dilma”.

Panelaço – Questionado se, para o PSDB, seria mais conveniente desgastar o governo Dilma ou apostar no afastamento da presidente, Aécio aproveitou para ironizar as declarações de que o panelaço realizado em algumas cidades do País durante o pronunciamento da petista no último domingo foi orquestrado pela oposição. “Nós rejeitamos vigorosamente essa patrulha de setores do PT que chegam ao cúmulo do ridículo de dizer que o panelaço do último domingo foi patrocinado pelas oposições. Nem que nós tivéssemos um crédito ilimitado nas Casas Bahia ou no Ricardo Eletro nós não conseguiríamos encontrar tanta panela para atender a tantos brasileiros”, encerrou. (Terra)

Comentários

Comentários

Artigos de Categorias:
Brasil · Política

Deixe o seu Comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.