Militar pede guarda do filho após mãe ser indiciada por morte do mais velho

6 anos Anterior written by

Após Cristiane Coelho ser indiciada pelo assassinato de Lewdo Bezerra, 9 anos, morto em novembro de 2014, o subtenente do Exército, Francilewdo Bezerra, pediu a guarda do filho de 6 anos, que está morando com a mãe, no Recife. Na quarta-feira (15), o delegado Wilder de Brito Sobreira, do 16º Distrito Policial, divulgou o inquérito que apurou o assassinato do filho mais velho do casal e apontou a mãe do menino como a autora do envenenamento do filho. O advogado do pai das crianças deu entrada na Vara de Família de Fortaleza com o pedido de guarda do filho mais novo. “Eu acredito que a decisão saia logo, já que está provado que a mãe matou o outro filho”, afirmou o advogado Walmir Medeiros ao site G1. Segundo o advogado, se o juiz decidir favoravelmente em favor do pai, uma carta precatória será enviada ao Recife para que um oficial de Justiça faça o resgate da criança e encaminhe para Fortaleza. Investigações – De acordo com as investigações, Cristiane Coelho colocou chumbinho no sorvete de morango e envenenou o filho. O caso aconteceu na casa onde a família vivia no Bairro Dias Macêdo, em Fortaleza. Na época, o pai, que também ingeriu veneno e ficou em coma, chegou a ser acusado de agredir a mulher e assassinar o filho. “A Cristiane, que dizia ter sido espancada pelo marido, matou o filho envenenado fazendo uso de sorvete de morango. Não há mais dúvida”, afirmou o delegado Wilder Brito, após a conclusão do inquérito.

Prisão preventiva – Cristiane Coelho aguardava o resultado das investigações em liberdade. Após o crime, ela se mudou com o filho mais novo para Recife. A Polícia Civil do Ceará deve pedir à Justiça ainda esta semana a prisão dela por homicídio triplamente qualificado. “O laudo [pericial] reafirma tudo o que a gente já suspeitava, que quem matou o menino Lewdo foi a Cristiane, a própria mãe, e quem envenenou o pai [de Lewdo Bezerra] foi também a mãe”, disse Wilder Brito. Após o recebimento do relatório, cabe ao promotor de Justiça Humberto Ibiapina, da 3ª Vara do Júri, se manifestar contra ou a favor da prisão. A juíza Christianne Magalhães Cabral, titular da 3ª Vara do Júri, pode acatar, ou não, o parecer do promotor. No caso de concordância com prisão, a juíza expede um mandato de prisão e envia por carta precatória à Justiça do Pernambuco, para que cumpra o mandado e prenda Cristiane Coelho.

Caso – No dia 11 de novembro do ano passado, o subtenente do Exército Francilewdo Bezerra e seu filho, Lewdo Bezerra, ingeriram veneno para matar ratos, conhecido como “chumbinho” em um sorvete de morango. Francilewdo ficou em coma por uma semana e conseguiu se recuperar, já o garoto não resistiu e acabou morrendo. O subtenente chegou a ser apontado com suspeito de homicídio. Cristiane chegou a contar para a polícia que o marido tinha matado o filho com tranquilizantes e tentado se matar, além de agredi-lá. A suspeita foi descartada pela polícia após a conclusão do laudo.

Comentários

Comentários

Artigos de Categorias:
Assassinato · Brasil

Deixe o seu Comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.