Presos da 11ª fase da Lava Jato fazem exame de corpo de delito

7 anos Anterior written by
Seis dos sete presos da 11ª fase da Operação Lava Jato fizeram exame de corpo de delito no Instituto Médico-Legal (IML), em Curitiba, neste sábado (11). Depois, eles retornaram para a carceragem da Polícia Federal. O procedimento, que é de praxe em caso de prisão, não foi realizado apenas pelo ex-deputado Pedro Corrêa, que cumpre prisão em regime semiaberto em Pernambuco, e ainda não chegou a Curitiba. O Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou a transferência dele para a capital paranaense, mas a Polícia Federal não informou como ou quando isso ocorrerá. Também foram encaminhados para exame de corpo de delito Dario Queiroz Galvão Filho, que conforme a PF, é sócio da Galvão Engenharia, e Guilherme Esteves de Jesus, apontado como um operador do esquema de desvios na Petrobras. Eles foram detidos em 27 de março, entretando, ainda não haviam feito o exame. A 11ª fase da Operação Lava Jato que investiga um esquema bilionário de corrupção, desvio e lavagem de dinheiro, prendeu na sexta-feira (10) sete pessoas, sendo três ex-deputados; André Vargas (ex-PT e vice-presidente da Câmara dos Deputados), Luiz Argôlo (SDD-BA) e Pedro Corrêa (PP).

Os demais presos são:

– Leon Vargas, irmão de André Vargas, preso em Londrina;

– Élia Santos da Hora, secretária de Argôlo, presa em Salvador;

– Ivan Mernon da Silva Torres foi preso em Niterói;

– Ricardo Hoffmann, diretor de uma agência de publicidade em Curitiba, foi preso em Brasília;De acordo com a Polícia Federal, a princípio, esse nova fase não tem ligação com o esquema descoberto de fraudes de licitação para pagamento de propina a ex-diretores, políticos e partidos políticas na Petrobras. De alguma forma, porém, todos os suspeitos têm ligação com o doleiro Alberto Youssef, apontado como o líder do esquema bilionário de corrupção, desvio e lavagem de dinheiro. Inicialmente, a Operação Lava Jato focava em grupos de doleiros que praticavam crimes contra a economia. A investigação, contundo, se expandiu chegando à Petrobras. Esta última etapa da operação chegou aos contratos de publicidades firmados pela Caixa Econômica Federal (CEF) e pelo Ministério da Saúde, e foi batizada de “A Origem”. O nome, segundo a Policia Federal, se deu em virtude do cumprimento de dois mandados em Londrina, cidade onde morava Alberto Youssef e onde iniciaram as investigações da Lava Jato. (G1)

Comentários

Comentários

Artigos de Categorias:
Bahia · Crime · Justiça · Polícia · Política

Deixe o seu Comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.